-
-

Desde fevereiro de 2018, Matheus Mallman embarcou para uma viagem de intercâmbio para Dublin, na Irlanda, o que não estava em seus planos quando iniciou o curso College da UPTIME Lajeado (RS).

 

Aquela época, o seu objetivo maior concentrava-se em adquirir a fluência para investir na carreira profissional, que começava a ganhar forma no período em que cursava Engenharia de Produção na universidade.

 

“Estava procurando um curso com uma metodologia diferente da tradicional e foi aí  que encontrei a UPTIME e me decidi pela escola”, justifica a escolha.

 

Direto da Irlanda, ele concedeu uma entrevista em que fala sobre sua trajetória com o inglês até o momento.

 

Inglês na Engenharia 
O primeiro contato do então estudante de engenharia com o idioma em uma escola de inglês foi na UPTIME, onde adquiriu toda a sua base de aprendizado até a fluência.

 

Universitário aquela época, ele se recorda dos principais motivos que o motivou a se dedicar ainda mais aos estudos:

 

“Queria melhorar o meu inglês para o mercado de trabalho. Algumas empresas já tinham etapas do processo seletivo em inglês”, diz sobre a urgência do domínio no idioma para o seu crescimento  profissional.

 

Depois do College

Após concluir o curso College, Matheus decidiu aperfeiçoar a fluência no curso de Conversation Club (para quem já domina o idioma e deseja manter e aprimorar o inglês) por um ano e meio, até o período em que viajou em intercâmbio para a Irlanda.

 

Em fevereiro de 2018 o engenheiro desembarcava em Dublin junto da namorada para viverem uma experiência  duradoura no exterior.

 

Inglês in loco

A viagem para a Irlanda atendia o desejo do casal de vivenciar e consolidar o inglês em um país onde a língua inglesa é uma das oficiais.

 

“A gente queria consolidar o inglês em um país nativo e acabamos escolhendo a Irlanda pela localização, o que facilita as viagens para outros países da Europa", justifica Matheus.

 

Até o momento ele conta que já foram mais de 10 países visitados por eles, “sendo que o inglês sempre é a principal forma de comunicação” diz sobre a importância da língua inglesa durante as viagens.

 

Familiarizando com o sotaque

Assim que chegou em Dublin como intercambista, Matheus depois deu continuidade aos estudos do idioma como forma  de conseguir o visto para residir no país.

 

Logo nos primeiros contatos com os nativos, se esbarrou nos sotaques:

 

“Eu tinha mais contato com o inglês americano e na Irlanda há uma mistura de inglês britânico com o irlandês. No início foi um pouco difícil de entender o sotaque, mas com o tempo o ouvido vai se acostumando”, conta.

 

Irlanda x futuro

Durante os 10 meses em que está morando no país, o intercambista aproveita para conciliar os estudos com os trabalhos de meio período:

 

“Os estudantes na Irlanda só têm permissão para trabalhar part-time e é o que tenho feito, normalmente trabalho com eventos. Já trabalhei no show do The Rolling Stones, Taylor Swift e em alguns eventos no Dublin Castle —  e o inglê é essencial durante esses trabalhos”, diz.

 

Sobre o futuro ainda incerto na Irlanda — a princípio o intercâmbio será até julho de 2019 — Matheus comenta haver a possibilidade de estender o prazo: "Depende de como as coisas vão indo por aqui”.

Importância do inglês

Quando retornar ao Brasil, ele destaca a importância de manter o contato com o idioma para se manter sempre atualizado com as novas expressões que vão surgindo.

 

“Tenho planos de continuar a minha vida acadêmica cursando um mestrado, onde o inglês também é muito importante, uma vez que maioria das pesquisas são publicadas em inglês”, finaliza.

 

Aproveite e confira a história de Julio Cezar Santos, que também viajou em intercâmbio para a Irlanda após se tornar fluente pela UPTIME.